Pular para o conteúdo
Inicio » Como fazer cerveja? Ser um amador

Como fazer cerveja? Ser um amador

O senhor sabe como fazer cerveja? Se o senhor é um desses amantes da cerveja e se perguntou como é feita a cerveja, aqui lhe diremos como ela é feita, o que o senhor pode fazer em casa e desfrutar de uma bebida com um selo pessoal que o refrescará e deleitará.

A cerveja é uma bebida alcoólica fermentada com um sabor amargo característico que fascina graças a seu sabor peculiar e frescor natural, de modo que jovens e velhos quase sempre preferem uma boa cerveja loira para acompanhar suas noites e suas refeições.

Como fazer cerveja? Sem ser um mestre cervejeiro

A cerveja é uma bebida que vem ganhando seguidores dia após dia, e não é apenas uma bebida refrescante que pode acompanhar qualquer ocasião, graças a seus ingredientes melhora o bom funcionamento do corpo e ajuda a prevenir doenças degenerativas.

Mas, embora alguns de nós saibamos muito sobre essa deliciosa bebida, outros não sabem como é seu processo de elaboração, que é responsável por saborearmos seu intenso sabor e sua incrível espuma.

A cerveja é feita sob um processo cervejeiro que é necessário para obter o líquido louro, preto, vermelho ou tostado que fará parte da preferência de cada um dos seguidores dessa bebida encantadora e versátil.

Então o senhor pode estar se perguntando, como é feita a cerveja? Bem, a cerveja é feita em quatro grandes etapas com as quais obteremos o precioso líquido louro, que são

  • Produção de açúcar a partir de grãos de cereais
  • Cozimento do açúcar líquido
  • Fermentação
  • Carbonatação

Quais são os ingredientes da cerveja?

A cerveja é uma bebida alcoólica feita com ingredientes naturais, cujo processo de maceração, fermentação e maturação resulta em um líquido que pode variar de cor, de amargor ou de doçura. Ao longo dos anos, a cerveja tem se encontrado entre as preferências de muitas pessoas que procuram bebidas diferentes.

Os ingredientes da cerveja, por sua vez, podem ser acompanhados por outros que, em menor proporção, darão nuances de sabores e aromas que podem torná-los mais ou menos marcantes, tudo dependendo do paladar que os prova. Os principais ingredientes da cerveja são:

  • Água
  • Malte
  • Lúpulo
  • Levedura

Esses quatro ingredientes são responsáveis por encher de sabor e frescor os amantes da cerveja no mundo inteiro. Como já sabemos, os principais ingredientes da cerveja são quatro e são compostos de água, malte, lúpulo e levedura.

Água

A água é o principal ingrediente no preparo da cerveja, e é que cerca de 85% e 95% dela é água, de modo que podemos descobrir que na cerveja há minerais como cálcio, sulfatos e cloreto.

Cada um dos minerais presentes na água exerce um processo importante, de modo que podemos descobrir que o cálcio é responsável por aumentar a extração do malte e do lúpulo durante a brassagem e o cozimento, diminuindo assim a turbidez da cerveja.

Por outro lado, o cobre, o manganês e o zinco inibem a floculação das leveduras, enquanto os sulfatos reforçam o amargor e a secura do lúpulo e os cloretos dão uma textura mais cheia e reforçam a doçura da cerveja.

A água é a base fundamental da cerveja, portanto sua pureza deve ser completa para que não altere a composição da cerveja e não se torne um fator que altere as propriedades e a qualidade desse líquido encantador.

Malte

Qualquer cereal pode ser usadopara fazer cerveja, sua elaboração não está ancorada em um único tipo de cereal, ou seja, podemos usar cevada, trigo, aveia, arroz, milho ou qualquer outro que queiramos usar, desde que seja maltado.

O malte é o produto obtido da germinação de grãos de cereais de maneira controlada, que depois são submetidos a um processo de secagem e torrefação. É necessário usar qualquer cereal que seja maltado para que seus açúcares sejam fermentáveis, sendo o malte de cevada geralmente o cereal mais comumente usado na fabricação de cerveja ocidental.

O malte está dividido em três categorias, que são:

1.- Maltes de base

Os maltes de base são aqueles maltes que são claros, levemente secos e com grande poder enzimático, isto é, com capacidade de converter amido em açúcares fermentáveis, que normalmente constituem entre 85% e 100% da mistura total de grãos na fabricação de cerveja.

Entre os maltes de base mais conhecidos do mundo, podemos encontrar os seguintes maltes: Pilsner, Pale Ale, Munique e Viena.

2.- Maltes especiais

Os maltes especiais são aqueles maltes que são altamente secos, com pouco ou nenhum poder enzimático e que variam do âmbar ao preto. Geralmente esses maltes são usados em pequenas quantidades e procuram desenvolver cores, aromas e sabores específicos na cerveja, dependendo do estilo que se esteja fabricando.

Existe atualmente uma grande variedade de maltes especiais, entre os quais podemos encontrar maltes negros, maltes de chocolate, maltes torrados, entre outros.

3.- Maltes mistos

São maltes que são mais torrados que os maltes de base, mas retêm propriedades enzimáticas suficientes, pelo menos para gerar seus próprios açúcares, de modo que possam ser usados como base ou como aditivos.

Dentro dessa categoria encontramos os maltes de cor caramelo e âmbar conhecidos na Inglaterra como maltes de cristal e na Alemanha como maltes de caramelo.

Lúpulo

O lúpulo é um ingrediente indispensável na fabricação da cerveja. Esse componente particular provém das flores femininas da planta chamada cones, onde residem as chamadas glândulas de lupulina.

A lupulina é uma resina amarelada que se transforma durante o processo de fabricação da cerveja, proporcionando aromas, sabores e capacidade de conservação antibacteriana, ajudando também a estabilizar ainda mais o processo de formação e retenção da espuma da cerveja.

O lúpulo, conhecido cientificamente como Humulus Lupulus, é uma planta da família das canabáceas nativas da Europa, Ásia Ocidental e América do Norte. Seus principais componentes são:

  • Ácidos alfa: Estes são responsáveis pelo amargor da cerveja e são compostos de um grupo de resinas, principalmente humulona, cohumulona e adhumulona, que quando cozidos passam por um processo de transformação chamado isomerização, que forma os compostos amargos que são dissolvidos na cerveja, chamados ácidos isoalfa.
  • Ácidos beta: são resinas de baixo poder amargo, mas que, quando oxidadas, geram sabores indesejáveis e adstringência na cerveja e são conhecidas como lupulones.
  • Óleos essenciais: Os óleos essenciais são responsáveis por dar sabor e aroma à cerveja, sua quantidade e qualidade variam de acordo com a variedade de lúpulo e geralmente representam entre 0,5% e 3% de sua massa total.
  • Taninos: Eles são responsáveis por inibir o crescimento bacteriano, essa ação antibacteriana dura com o tempo ajudando a conservação da cerveja e favorecendo o desenvolvimento saudável da levedura durante a fase de fermentação.

O lúpulo, além de possuir componentes que o tornam especial e determinante na fabricação da cerveja, é classificado em três tipos, que são:

1.- O lúpulo amargo

Esses lúpulos são ricos em ácidos alfa e são adicionados no início do processo de fabricação da cerveja. Alguns dos mais conhecidos nessa categoria são o Brewer’s Gold, o Northern Brewer e o Cascade hops.

2.- Aroma de Lúpulo

Estes são os que fornecem os elementos mais aromáticos e são adicionados ao final do processo de ebulição ou após a fermentação em um processo chamado “Dry Hopping”.

Alguns dos mais conhecidos são o lúpulo tcheco Saaz, os alemães Spalt e Tettnang, os ingleses Golding e Fuggles e os americanos Cascade e Willamette.

3.- Lúpulo misto

São lúpulos que contribuem de maneira menos acentuada para as características de aroma e sabor da cerveja. É uma categoria muito variável e podemos encontrar dentro dessa categoria o lúpulo alemão Hersbrucker e Hallertau, bem como seus derivados botânicos.

Levedura

A maioria dos estilos de cerveja é feita usando uma de duas espécies unicelulares de microorganismos Saccharomyces comumente conhecidos como leveduras, que é um fungo consumidor de açúcar que produz álcool e dióxido de carbono.

A levedura é um fungo unicelular que se reproduz assexualmente pelo brotar, processo em que sua estrutura desenvolve um botão ou protuberância que depois se desenvolve em um novo indivíduo.

Há dois tipos de fermento que definem os dois principais grupos de cervejas, que são

1.- Levedura de Fementação Alta (ALE)

Esse fermento é o que normalmente se encontra na natureza e se chama Saccharomyces cerevisiae. Funciona a temperaturas entre 12°C e 24°C, e está localizado na superfície do mosto durante a fermentação, razão pela qual é chamado de levedura de fermentação superior.

2.- Levedura de Fermentação de Fundo (LAGER)

Essa levedura pertence à espécie Saccharomyces uvarum, e trabalha a temperaturas entre 7°C e 13°C e é posicionada no fundo do mosto durante a fermentação, razão pela qual é chamada de levedura de fermentação de fundo.

Preparando a cerveja passo a passo

A cerveja tem uma metodologia que permite obter como resultado final uma bebida alcoólica fresca com características particulares, mas o senhor sabe quais são os passos que o senhor deve seguir para fazê-lo? para responder a esta pergunta, lhe daremos os passos que o senhor deve seguir para poder fabricar cerveja e não sucumbir na tentativa.

Maltagem

É a coisa principal que deve ser feita e é quando os grãos de cereais, geralmente trigo ou cevada, são submersos em água para começar a germinar e secar com ar quente logo em seguida. O processo de maltagem consiste em três etapas básicas, que são

  1. Germinação: Consiste em induzir a germinação dos grãos de cereais para permitir a ativação das enzimas que irão converter o amido em açúcares fermentáveis ou enzimas amilolíticas e constitui o primeiro estágio do processo de fermentação.
  2. Secagem: consiste em parar a germinação, eliminando a água contida nas sementes por meio do calor. A temperatura de secagem não deve exceder 60ºC para não destruir as enzimas amilolíticas.
  3. Torrefação: consiste em torrar o malte a temperaturas crescentes e progressivas para produzir maltes com diferentes graus de caramelização.

Moagem e brassagem

O cereal é moído e misturado com água quente a uma certa temperatura estável durante um tempo específico, com o objetivo de fazer com que as enzimas do malte atuem sobre os cereais e os agregados não maltados, transformando seu amido em açúcares fermentáveis. O mascaramento pode ser feito de duas maneiras diferentes, que são as seguintes:

  1. Simples brassagem: O mosto está sujeito a uma faixa de temperatura estável. Deve ser mantido entre 65°C e 68°C por uma hora, depois o excesso de grãos é retirado e o líquido açucarado, chamado mosto, é obtido.
  2. Maceração por etapas: consiste em submeter a mistura de grãos a diferentes faixas de temperaturas específicas para ativar as enzimas de uma maneira seletiva.

Fervura

Durante esse processo, o mosto é esterilizado, a cor é acentuada e as proteínas são coaguladas, o que favorece a obtenção de uma cerveja mais transparente. É nesse processo que se acrescenta o lúpulo, o que dará, entre outros fatores, um contraponto de amargura ao líquido adocicado e à cerveja resultante. Para que a ebulição seja correta, o mosto deve ser mantido fervendo por 60 a 90 minutos, dependendo do estilo da cerveja e dos ingredientes usados para ela. Uma vez terminada a ebulição, o senhor tem um líquido a 100ºC que deve ser levado a uma temperatura entre 25ºC e 30ºC, o que permitirá que as leveduras atuem e impeçam o desenvolvimento de microorganismos contaminantes e permitirá uma melhor coagulação das proteínas que podem causar turbidez.

Fermentação

O resultado do amassamento vai para o fermentador, onde o fermento é adicionado. Suas enzimas convertem os açúcares do mosto em álcool e definem o perfil da cerveja. Se a fermentação ocorrer a uma temperatura alta, resultará em uma cerveja “ale”, e se ocorrer a uma temperatura baixa, resultará em uma cerveja “lager”.

Durante a fermentação ocorrem algumas reações, que podemos compreender da seguinte maneira:

  1. Inoculação ou semeadura: consiste em duas técnicas básicas, que são a inoculação direta e a preparação de um fermento de arranque. A inoculação direta consiste em adicionar a levedura, granulada ou líquida, diretamente ao mosto, enquanto a fermentação é definida como uma pequena cultura de levedura que a cervejaria usa para iniciar uma série de réplicas em série até que o número adequado de células necessárias seja alcançado.
  2. Fermentação primária: A fermentação primária é o processo realizado pela levedura nos sub dias que se seguem à inoculação. Durante esse processo, a maior parte dos açúcares é transformada em álcool e dióxido de carbono. Caracteriza-se por alta turbulência e borbulhante profuso.
  3. Fermentação secundária: A fermentação secundária se dá após a agitação dos primeiros dias. Ela é feita em um fermentador secundário uma vez que parte do sedimento de levedura tenha sido extraído por decantação.
  4. Atenuação: Tem o objetivo de medir a diminuição do açúcar durante a fermentação.
  5. Esclarecimento: É o processo que procura eliminar a turbidez indesejada, que geralmente deriva de três causas principais:
  • Presença de matéria vegetal e leveduras normalmente usadas no processo de fabricação.
  • Condensação de certas proteínas pela ação do frio, um fenômeno conhecido como névoa de frio.
  • Desenvolvimento de leveduras e bactérias contaminantes.

Maturação

Esta é a fase em que o líquido resultante é mantido por um período de tempo em um tanque de maturação onde repousa no frio para que o sabor e os aromas obtidos durante o processo sejam estabilizados e o produto final mantenha o caráter desejado pela cervejeira.

Engarrafamento

Uma vez que a cerveja esteja pronta, ela é engarrafada, o que pode ser feito em diferentes formatos para seu consumo. Geralmente são usadas uma garrafa de vidro escura e uma tampa de coroa. Com essas medidas o senhor recebe uma cerveja que atende aos padrões de qualidade exigidos e que pode desfrutar na companhia de amigos e familiares. Dar-lhe-emos também algumas receitas que o senhor pode usar para se aventurar no mundo da cerveja.

3 Receitas de cerveja que você não pode perder

Há várias receitas de cerveja que o senhor pode fazer e com as quais poderá desfrutar graças ao seu delicioso sabor e aroma fresco e também permitir que o senhor se desenvolva dentro da arte de fazer cerveja artesanal. É por isso que lhe daremos três receitas que não pode faltar e que o senhor vai adorar.

Cerveja Índia Pale Ale

É uma cerveja caracterizada por ter um intenso sabor amargo gerado pelo lúpulo, e tem um alto teor alcoólico, o que a torna forte e robusta. Essa cerveja particular tem uma bela cor dourada com flashes de cobre que é acompanhada por uma espuma espessa e densa. Seu aroma intenso com notas florais, cítricas e picantes lhe dá o toque perfeito para acompanhar seu forte sabor amargo.

Ingredientes Quais são os ingredientes de um IPA?

  • 5,5 kg de malte pálido
  • 250 gramas de malte cristal
  • 22 gramas de lúpulo em cascata (90 minutos)
  • 22 gramas de lúpulo em cascata (60 minutos)
  • 20 gramas de lúpulo em cascata (10 minutos)
  • 20 gramas de lúpulo em cascata (5 minutos)
  • Levedura ALE

Como preparar um IPA

  1. Mash os grãos a 65°C por 90 minutos
  2. Fervura de mosto durante 90 minutos
  3. Fermentação primária por 7 dias a 20°C (68°F)
  4. Fermentação secundária por 7 dias a 20°C
  5. Maturação da garrafa por 7 dias a 5°C

Nota: É importante que antes de engarrafar a mistura seja colocada num recipiente junto com a dixtrose diluída (120 gr) em um pouco de água com 1 colher de sopa de gelatina.

Cerveja Porter Beer

é uma cerveja escura pertencente ao estilo ALE que tem um caráter de malte torrado profundo e um forte sabor amargo causado pelo lúpulo. Sua cor varia do marrom avermelhado escuro ao preto, seu sabor pode variar de notas sutis de maltes escuros a toques esfumaçados que lhe dão um sabior perfeito e marcante.

Ingredientes Quais são os ingredientes do Porter para 22 litros?

  • 5 kg de malte de base
  • 700 gr de malte caramelizado
  • 150 gr de malte de chocolate
  • 150 gr de malte preto
  • 300g de aveia em rolo
  • Levedura de alta atenuação, Notthingam
  • 2,5 litros de água por quilo de cerveja à prova de 67
  • 20 gr Lúpulo em cascata
  • 14 gramas de lúpulo Kent Golding (30 minutos)
  • 6 gr Kent Golding lúpulo (60 minutos)

Como preparar

  1. Mash a alta temperatura 70°C
  2. Fervura de mosto 1 hora
  3. Fermentação por 8 dias a 20°C
  4. Maduro por 7 dias a 5°C (41°F)

Kolsch

É uma cerveja de estilo alemão que apresenta uma bela cor dourada pálida a suave que é acompanhada por uma espuma delicada e não persistente. Seu aroma é agradável com notas frutadas sutis que o tornam fresco e também acompanham um sabor suave que é equilibrado entre o amargor gerado pelo lúpulo e seu toque frutado. Ingredientes Quais são os ingredientes de um Kolsch de 20 litros?

  • 3,5 kg de malte pilsen
  • 700 gr de malte de trigo leve
  • 200 gr de malte carapil
  • 30 gr Lúpulo Tettnager no início da fervura
  • 20 gramas Lúpulo Tettnager após 45 minutos de fervura
  • 15 gr Lúpulo Tettnager aos 55 minutos após a fervura
  • Wyeast 2565 kölsch ou Safale 05 levedura hidratada com 30 minutos de antecedência

Como preparar

  1. Simples amassamento do grão a 65°C por 60 minutos
  2. Fervura de mosto por 60 minutos
  3. Esclarecer com musgo irlandês 15 minutos antes do fim da fervura
  4. Fermentação por 7 dias a 18°C
  5. Clarificação e amadurecimento por 3 a 4 semanas a 4ºC
  6. Engarrafamento

Há várias receitas que podem fazer de sua incursão no mundo da cerveja uma aposta bem sucedida e segura, mas cada cervejaria pode acrescentar ingredientes que servem para dar outros aromas e realçar os sabores sem realmente alterar a base principal que define a cerveja.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.